Café com Letras #5 - Juliane Lima



À frente de seu tempo...



Alguém já parou pra interpretar profundamente a frase de Raul Seixas:
Eu perdi o meu medo da chuva, vendo as pedras que choram sozinhas no mesmo lugar...”
Já? Pois devia.
Incrível como os caras que ao longo de suas vidas foram taxados de loucos, malucos, idiotas, charlatões e outras coisas  pela humanidade moral (normal dentro de seus padrões pré dispostos) são os mesmos, que hoje paramos para ouvir, ver, ler suas obras em registro, e vemos como ainda hoje, eles têm uma visão muito mais avançada, poética, incrivelmente mais inteligente e sensível.

“Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo.”
Raul Seixas  (em vida foi taxado de satânico, maluco)

Hoje a maioria dos que em vida, foram taxados pela sociedade por algo que não eram, são considerados gênios.

A viagem só é necessária para as imaginações curtas.”

“Às vezes fico pensando que a aids parece mesmo coisa da CIA misturada com o Vaticano. Sei que é um pouco de loucura pensar isso, mas faz sentido, faz. Faz muito sentido.”
Cazuza (em vida foi taxado de  mimado, drogado e promíscuo)

Essas pessoas que estavam a frente de suas épocas, devem ter ficado incomodadas, entediadas e até sofrido com os outros homens, nós, atrasados e “donos da verdade”.

“A imaginação é mais importante que o conhecimento.”

“A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original."

"A tradição é a personalidade dos imbecis.”

“Duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana. Mas, no que respeita ao universo, ainda não adquiri a certeza absoluta.”
  
Albert Einstein (foi taxado de louco por dizer que tem uma outra dimensão além da que nós vivemos, o que hoje se conhece como física quântica.)

Somos feitos de carne, mas temos de viver como se fôssemos de ferro.”

“Não posso imaginar que uma vida sem trabalho seja capaz de trazer qualquer espécie de conforto. A imaginação criadora e o trabalho para mim andam de mãos dadas; não retiro prazer de nenhuma outra coisa.”

“Ao tomar uma decisão de menor importância, eu descobri que é sempre vantajoso considerar todos os prós e contras. Em assuntos vitais, no entanto, tais como a escolha de um companheiro ou profissão, a decisão deve vir do inconsciente, de algum lugar dentro de nós. Nas decisões importantes da vida pessoal, devemos ser governados, penso eu, pelas profundas necessidades íntimas da nossa natureza.”
 Sigmund Freud (foi taxado de charlatão)

Texto enviado por Juliane Lima