A mudança que um parque traz a uma comunidade


Como um antigo lixão improvisado virou um parque e mudou a vida dos habitantes da Brasilândia, um bairro de São Paulo


Um dos grandes desafios das cidades é manter áreas verdes. Elas são importantes porque ajudam a dar vazão à água das chuvas em meio a tanto asfalto e ainda melhoram a qualidade de vida dos moradores. Estudos sugerem que pessoas que moram em regiões com vegetação têm menos problemas de saúde, como depressão e ansiedade.
Com a valorização imobiliária das grandes cidades, muitas vezes as áreas verdes são ocupadas por construções e novos prédios. Mas alguns munícipios encontraram uma solução: criar parques lineares, às margens de rios, rodovias e linhas elétricas. A ideia já é usada em outros países há algumas décadas. Um dos exemplos mais famosos é o do High Line, em Nova York. O parque foi erguido sobre uma antiga linha férrea. Seul, na Coreia do Sul, demoliu toneladas de concreto de um viaduto, despoluiu o canal vizinho e criou parques lineares no leito.
 O município de São Paulo já tem parques nesse estilo. Um deles fica na Brasilândia, um bairro da zona norte. A área, onde agora estão uma pista de caminhada, uma quadra esportiva e brinquedos infantis (alguns deles quebrados, lamentavelmente), funcionava antes como lixão improvisado. São os moradores da Brasilândia que nos contam no vídeo abaixo como o parque mudou o cotidiano deles.


Fonte: Reportagem de ALINE RIBEIRO - Revista Época

Seguidores